Entrada > Notícias > Diálogos da Teoria

Diálogos da Teoria

ESMAE

Em Diálogo com Miguel Ribeiro-Pereira - quarta-feira, 26 de maio, quinta-feira, 27 de maio - das 17h30 às 19h30 (via ZOOM)


Ciclo Em Diálogo com Miguel Ribeiro-Pereira
 
Quarta-feira, 26 de Maio, 17h30-19h30 | Escuta meditativa: o que é e para que serve?

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/89218734266?pwd=cVlCa2ZGL1BTZHFrVVJGRkFlUGZHQT09 
 
Comunicação #1: Escuta meditativa como paradigma (est)ético (Ana Isabel Nistal Freijo)

Não obstante ter sido desenvolvido ao longo de uma vida, só recentemente este modelo original de “escuta meditativa” foi assim cunhado. Em que consiste, pergunta-se, e qual o seu papel no processo analítico? Teremos oportunidade de descobrir e discutir estes temas, em diálogo (improvisado) com o autor.

 

Comunicação #2: A escuta como diálogo (Miguel Ribeiro-Pereira)

O tema do diálogo está nas bocas do mundo — só na boca, que não na alma nem no coração. É um método filosófico de conversação (de Platão a Gadamer) e um estilo apropriado de apresentação (este que aqui nos foi proposto). É um processo aberto e indeterminado, com efeitos profundos em nós, improvisado e desconcertante até. Não será essencialmente um modelo de escuta?


Quinta-feira, 27 de Maio, 17h30-19h30 | Plasticidade sonora: música e palavra

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/89676189588?pwd=cGtnL002T3F5VFJJWC9IeFpOR1g2dz09

Comunicação #1: Voz, corpo e modulação interna no tom trágico, mais violento que sentimental, da música de Carlos Paredes (José Oliveira Martins)

Nesta comunicação exploro um aspecto da voz trágica ouvida na música de Carlos Paredes (nas suas palavras “mais violenta que sentimental”) e que assume a expressão de um contraponto modulatório inter-tonal. Procuro compreender de que modo a relação entre um canto simples e íntimo e um baixo cromático de um “lamento” estabelece uma modulação interna no campo plagal de acordo com o quadro analítico proposto por Miguel Ribeiro-Pereira (teoria da modulação harmónica). A voz musical de Paredes (íntima e comovida) desenvolve-se criativamente atendendo às limitações acústicas e ergonómicas da guitarra portuguesa, e manifesta-se como extensão do pensamento, emoções, corpo e mãos do guitarrista.

 

Comunicação#2: O Verbo segundo Richard Wagner (Igor Reina)

Imerso no espírito revolucionário de 1848, Wagner prospecta uma profunda transformação idiomática urdida pela integração das artes num consumado objecto estético — a obra de arte total. Em escala reduzida, podemos admirar esta harmoniosa integração no período poético-musical, o nível formal onde a poesia aliterativa e a modulação harmónica concorrem num todo equilibrado. O primeiro período de O Ouro do Reno (1854) é disto eloquente exemplo, assim como sofisticada mise-en-scène do modelo plástico da sintaxe tonal preconizado por Miguel Ribeiro-Pereira.


NOTA: Estas duas sessões Zoom serão gravadas. A gravação destina-se unicamente a servir de instrumento de trabalho para os editores e autores do livro de homenagem a Miguel Ribeiro-Pereira (para cuja preparação estes Diálogos são elemento fundamental). As gravações não serão, portanto, disponibilizadas publicamente sob qualquer forma.

 

Ir para o programa completo da 1ª edição dos DIÁLOGOS DA TEORIA... 


 

Este ciclo de conferências pretende homenagear o legado científico, artístico e pedagógico de Miguel Ribeiro-Pereira (Professor jubilado da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Politécnico do Porto). Apresenta-se, assim, uma série de sete comunicações na área da análise e estética da música, em diálogo com o pensamento de Ribeiro-Pereira. O ciclo conclui com a apresentação de um trabalho recente do próprio homenageado. As sessões ocorrem a: 12, 19, 20, 27 e 28 de Maio; 1 de Junho (sempre às 17h30).

 


 

Professor jubilado da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Politécnico do Porto, Miguel Ribeiro-Pereira tem influenciado profundamente várias gerações de docentes, investigadores e alunos. Tendo sido o primeiro português a obter o Premier prix em Análise Musical pelo Conservatório Nacional Superior de Música de Paris e a concluir um doutoramento em Teoria da Música (Univ. Columbia, EUA), Ribeiro-Pereira contribuiu fortemente para o desenvolvimento da área de estudos da análise, teoria e estética musical em Portugal, especialmente desde a fundação da ESMAE em finais dos anos 80. 

O seu trabalho destaca-se pela originalidade do pensamento musical, tendo desenvolvido um paradigma modulatório de cognição musical definido como um processo transformador de "plasticidade harmónica"; uma abordagem holística da análise musical que propõe uma interiorização gradual através de um processo auditivo original, a "escuta meditativa"; e uma compreensão evolutiva da cultura ocidental moderna manifestada na "consciência tonal".  

Este ciclo de conferências pretende homenagear todo esse legado, mas ao mesmo tempo fá-lo com um olhar mais no presente e futuro do que no passado. Apresenta-se, assim, uma série de sete comunicações com trabalho de investigação original na área da análise e estética da música, abordando múltiplas temáticas e repertórios (da música erudita, antiga e moderna, ao jazz, pop-rock e música urbana), em diálogo com as ideias de Miguel Ribeiro-Pereira. O ciclo conclui com a apresentação de um trabalho recente do próprio homenageado.

 

Autor

antoniogorgal@esmae.ipp.pt

Partilhar