Entrada > Notícias > Masterclasses VERÃO CLÁSSICO on tour

Masterclasses VERÃO CLÁSSICO on tour

ESMAE

Segunda-feira, 13 de dezembro - Viola, Violino e Violoncelo


Masterclasses VERÃO CLÁSSICO on tour

 

Mihaela Martin, Violino

Miguel da Silva, Viola

Frans Helmerson, Violoncelo

 

VERÃO CLÁSSICO on tour

VERÃO CLÁSSICO on tour é uma iniciativa que tem como objetivo transportar a excelência musical do Festival e Academia VERÃO CLÁSSICO a várias cidades nacionais e internacionais, na forma de concertos e masterclasses.

Fundado em 2015, o VERÃO CLÁSSICO é hoje reconhecido como um dos mais importantes e requisitados Festivais e Academias de Verão do mundo. Com um eixo performativo e um eixo educativo, o VERÃO CLÁSSICO apresenta anualmente em Lisboa concertos e masterclasses orientadas por músicos e professores oriundos de algumas das mais prestigiadas instituições internacionais de ensino e solistas de algumas das melhores orquestras mundiais, como os Conservatórios e Escolas Superiores de Música de Berlim, Moscovo, Paris, Londres, Bruxelas, Boston, Oslo, Colónia, Genebra, Lausanne, Madrid, etc, as Orquestras Filarmónica de Berlim, Concertgebow de Amesterdão, Rádio da Baviera, Paris, etc, e músicos de referência mundial, como Gary Hoffman, Pascal Moraguès, Imogen Cooper, Emily Beynon, Radek Baborák, Eldar Nebolsin, Mihaela Martin, Frans Helmerson, Benjamin Schmid, Stephan Picard, Miguel da Silva, Gérard Caussé, Veronika Hagen, Adrian Brendel, Janne Saksala, Matthew MacDonald, Jack Liebeck, Ramón Ortega-Quero, Nicholas Daniel, Silvia Careddu e Anna Samuil, entre outros. 

Ao longo de sete edições, participaram no VERÃO CLÁSSICO mais de 1000 jovens músicos de dezenas de nacionalidades, vários dos quais foram laureados com os Prémios VERÃO CLÁSSICO, que proporcionam concertos inseridos em festivais e temporadas musicais em Portugal. O VERÃO CLÁSSICO fomenta, assim, a formação e a apresentação pública de jovens talentos, encorajando-os e apoiando-os na construção das suas carreiras, incentivando paralelamente o intercâmbio cultural entre os participantes de diversas nacionalidades. Aos estudantes portugueses oferece, no seu próprio país, uma plataforma para o desenvolvimento do seu nível artístico e a possibilidade excecional de aprendizagem com alguns dos mais prestigiados professores internacionais, referências mundiais dos seus instrumentos.

O Festival e Academia VERÃO CLÁSSICO foi criado pelo pianista Filipe Pinto-Ribeiro, que desde a fundação assume a função de diretor artístico e pedagógico.

www.veraoclassico.com

   

Mihaela Martin, Violino

Mihaela Martin é considerada uma das violinistas mais destacadas da atualidade. 

Nasceu na Roménia e, aos cinco anos, recebeu as primeiras aulas de violino com o seu pai. Mais tarde, estudou com Stefan Gheorghiu, um aluno de George Enescu e David Oistrakh.

Com apenas 19 anos, Mihaela Martin ganhou o Segundo Prémio no famoso Concurso Internacional Tchaikovsky em Moscovo, seguindo-se Prémios destacados em Montreal, Sion e Bruxelas, e o Primeiro Prémio no Concurso Internacional de Violino de Indianápolis, que lançou definitivamente a sua carreira internacional.

Mihaela Martin apresentou-se como solista com grandes orquestras como a BBC Symphony, a Royal Philharmonic e a Sinfónica de Montreal, bem como a Orquestra Mozarteum de Salzburg e a Orquestra Gewandhaus de Leipzig, sob a direção de maestros como Kurt Masur, Nikolaus Harnoncourt, Charles Dutoit e Neeme Järvi. Na temporada passada, Mihaela Martin tocou como solista e apresentou-se em festivais de música de câmara na Itália, Noruega, Reino Unido, França, Israel, Alemanha, Grécia, Roménia e Suíça. Juntamente com Conrad Muck, Mikhail Barenboim e Frans Helmerson, ela é membro permanente do Quarteto de Cordas Michelangelo, que fundou em 2003.

Mihaela Martin é Professora de Violino na Escola Superior de Música de Colónia, na Academia Kronberg e na Academia Barenboim-Said Akademie, em Berlim, e orienta Masterclasses em todo o mundo.

É membro regular dos júris em grandes concursos internacionais, como o Rainha Elisabete (Bélgica), Indianápolis (EUA), Enescu (Roménia) e Tchaikovsky (Rússia).

Mihaela Martin toca um violino de J.G. Guadagnini que data de 1748.

 

Miguel da Silva, Viola

O músico franco-suíço Miguel da Silva nasceu em Reims e começou a estudar no Conservatório da sua cidade natal, antes de se mudar para Paris onde estudou no Conservatório Superior de Música, com Serge Collot. Em Paris, foi laureado com o Primeiro Prémio em Música de Câmara e em Viola, por unanimidade e com voto especial do júri.

Em 1985, ganhou o Primeiro Prémio do Concurso Internacional de Música de Câmara em Paris.

A sua paixão pelo quarteto de cordas levou-o a fundar o Quarteto Ysaÿe, juntamente com três amigos. Depois de ganhar o Primeiro Prémio em Evian, o Quarteto Ysaÿe começou uma carreira internacional por todo o mundo, do Japão à América. Essa carreira brilhante de trinta anos foi encerrada em janeiro de 2014, após uma grande série de concertos, com ênfase especial na música de Beethoven.

Nos últimos anos, diversos convites levaram-no ao Wigmore Hall em Londres e à maioria das grandes salas de concerto da Europa - Munique / Herkulesaal, Veneza / Teatro della Fenice, Copenhaga, Helsínquia, Amsterdão / Concertgebouw, Hannover, Basileia, Baden-Baden, Salzburg / Festspielhaus, Leipzig - , e fez digressões na Bélgica, EUA, Japão e Itália.

Miguel da Silva tocou como solista com a Orquestra de Câmara de Paris, a Orquestra de Câmara Polaca, Orchestre d'Auvergne, a Orquestra Franz-Liszt de Budapeste, a Orquestra da Bretanha e com a Orquestra “Les Siècles”.

Como músico de câmara muito requisitado, os seus parceiros foram Michel Portal, Jean-Claude Pennetier, Paul Meyer, Leonidas Kavakos, Pierre Amoyal, Augustin Dumay, Nikita Boriso-Glebksy, António Meneses, Jean-François Heisser, Truls Mork e Henri Demarquette, Gary Hoffman, Emmanuel Pahud, Christophe Coin, entre outros.

Paralelamente aos seus CDs com o Quarteto Ysaÿe, Miguel da Silva gravou para as editoras Accord, Valois-Auvidis, Philips, Harmonia Mundi etc. Também fundou a sua própria editora, a Ysaÿe Records, que, com o selo Nascor, oferece aos jovens músicos a oportunidade de fazer a sua primeira gravação.

Em 1994, começou a lecionar uma classe de quartetos de cordas e, desde então, tem orientado toda uma nova geração de quartetos franceses e europeus e grupos de música de câmara.

Em 2008, foi nomeado Professor de Viola na Musikhochschule de Luebeck, na Alemanha, - onde assumiu o cargo de Walter Levine, como tutor na Academia Europeia de Música de Câmara (ECMA) e na Academia de Verão da Universidade de Música de Viena (ISA).

Em 2009, ingressou na Haute École de Musique, em Genebra, como Professor de Viola e de Música de Câmara, e tornou-se diretor artístico Académie Musicale Villecroze, em França.

Foi recentemente nomeado Mestre em Residência na Capela Musical Rainha Elisabete da Bélgica, juntamente com José Van Dam (Canto), Augustin Dumay (Violino), Louis Lortie (Piano) e Gary Hoffman (Violoncelo), onde foi convidado a abrir a primeira classe de Viola.

Miguel da Silva toca uma viola de Nicola Bergonzi (Cremona, 1796).

 

Frans Helmerson, Violoncelo

Um dos músicos mais respeitados da atualidade, o violoncelista sueco Frans Helmerson iniciou os seus estudos musicais com Guido Vecchi, em Gotemburgo, antes de estudar com Giuseppe Selmi, em Roma, e William Pleeth, em Londres. Sergiu Celibidache e o seu mentor Mstislav Rostropovich também tiveram um papel muito influente no seu desenvolvimento artístico.

Em 1971, Helmerson ganhou o renomado Concurso Internacional Cassado, em Florença - a primeira de muitas distinções. Muitas digressões levaram-no a vários países da Europa, assim como ao Japão, Rússia, América do Sul, Austrália, Nova Zelândia e EUA.

Frans Helmerson apresentou-se como solista com muitos dos melhores maestros, incluindo Seiji Ozawa, Colin Davies, Neeme Järvi, Evgeni Svetlanov, Esa-Pekka Salonen, Herbert Blomstedt, Sergiu Comissiona, Frübeck de Burgos, Kurt Sanderling e Mstislav Rostropovich, e recebeu muitos elogios da crítica pelos seus concertos e gravações. A sua gravação do Concerto para Violoncelo de Dvořák, com Neeme Järvi e a Orquestra Sinfônica de Gotemburgo, foi reconhecida como a “melhor gravação atualmente disponível no mercado”. A sua gravação do Concerto para Violoncelo No 1 de Schostakovich também é altamente elogiada.

A paixão de Frans Helmerson pela música de câmara é outra força motriz importante nos seus projetos musicais. É convidado regular nos principais festivais, incluindo o Festival de Verbier, o Festival Pablo Casals em Prades e o Festival de Ravinia, e passou muitos anos como diretor artístico do Festival Internacional de Música de Câmara de Umea-Korsholm. Em 2002, fundou o Quarteto de cordas Michelangelo, com Mihaela Martin, Stephan Picard e Nobuko Imai, ao qual em 2012 tarde se juntou o violinista Daniel Austrich.

Além de sua carreira como solista, músico de câmara e maestro, Frans Helmerson ensinou por vários anos como Professor nos Conservatórios de Colónia e em Madrid. Desde 2011, leciona como Professor Convidado na Escola Superior de Música Hanns Eisler, em Berlim. Em 2016, tornou-se o responsável pela cátedra de Violoncelo na Academia Barenboim-Said, em Berlim.

Frans Helmerson é Professor Principal de Violoncelo da Academia de Kronberg, na Alemanha, desde 2006.

Toca num violoncelo de Stefan-Peter Greiner.

 

 

Autor

antoniogorgal@esmae.ipp.pt

Partilhar