Quarta, 10 de julho

 

21h30 - Era eu a fêmea. Era eu o macho- Esplanada do Café Concerto Francisco Beja | ESMAE

TEATRO

A vida de dois cães de rua, que se debruça em temas como a lei da sobrevivência, as necessidades básicas de vida, a descoberta do verdadeiro “eu”, falta de humanidade relativamente ao abandono dos animais e mesmo ao abandono dos humanos por parte dos humanos. Uma ambiência de sujidade e abandono, que se torna simultaneamente num lar/casa para dois cães/sem abrigo. Os mesmos encontram-se abandonados e esfomeados, numa procura constante de comida e em responder a várias questões sobre a sua identidade, e sobre o passado das suas vidas. Decidem deixar este lugar de abrigo que construíram, aventuram-se pelo desejo de voltar a ser quem eram, para descobrirem a sua verdadeira identidade e satisfazerem as necessidades básicas presentes desde o início, como comer, beber, caçar, etc…

(Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo)

Ficha artística 

Intérpretes: Ana Catarina Vigário; Bruna Herculano; Luciana Sanhudo 

Luz: Pedro Guimarães 

Som: Ana Catarina Vigário 

Apoio á Cenografia: Maria Manada 

Apoio aos Figurinos: Ana Beatriz Camelo





23h00 - Conferência para pardais - Sala Preta | ESMAE

TEATRO

Meus senhores, e, de certo modo, minhas senhoras, convidamos-vos a assistir a “Conferência para Pardais”, uma criação teatral de Ana Catarina Vigário e Carolina Cardoso a partir do texto “Malefícios do Tabaco” de Antón Tchékov e com excertos do texto “Nunca Nada de Ninguém” de Luísa Costa Gomes. Repartindo a personagem Ivan Ivanovitch Nioukhine de “Malefícios do Tabaco” por duas atrizes o texto de Tchékov adensa-se, fugindo um pouco à base temática do texto original e ganhando toda uma outra dimensão, agora partindo de um ponto de vista feminino. Serão confrontados com essa mesma personagem que realizará uma conferência, a mando do marido, sobre os prejuízos do tabaco para a saúde. Embora comece por ser um desabafo sarcástico a conferência acabará por tomar um outro rumo, transformando-se numa pequena neurose através da  qual a personagem feminina – impotente e insignificante “espantalho para pardais” na sombra do seu marido – reflete sobre a sua existência diante de um público, seu único ouvinte. Uma reflexão sarcástica sobre o peso da vida, o medo de escapar ao conformismo e o medo de falhar. Uma vez mais convidamos Vossas Excelências a assistir à nossa conferência despida de artifícios. “E aquelas pessoas a quem mete medo uma conferência séria, digamos mesmo científica, têm inteira liberdade de não escutar... ou de sair.

(Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo)

Ficha artística

Direção artística e interpretação: Ana Catarina Vigário e Carolina Cardoso 

Desenho de luz e som: Fábio Pinto  

Design do cartaz e fotografia: João Gonçalo 

Agradecimentos: João Gonçalo (design do cartaz e fotografia), Gonçalo Tavares (apoio musical), Câmara Municipal de Gondomar